Flagship Store Glassons Broadway

Lojas conceito (flagshipstore)

Arquitetude Arquitetura Comercial, Arquitetura Corporativa Deixe um Comentário

Nos últimos anos, as principais marcas do mundo apresentaram altos investimentos em lojas conceito (flagshipstore). No Brasil, o crescimento apresenta uma tendência não apenas nas marcas multinacionais, mas também, em negócios de médio e pequeno porte. Reflexo das mudanças de hábito dos consumidores, mais exigentes e seletivos, a loja passa a oferecer mais que produtos ou serviços de qualidade – o ponto principal passa a ser a experiência de compra, diferenciada e marcante.

O projeto arquitetônico de uma loja conceito tem por objetivo reforçar o conceito da marca e expor sua proposta, transmitindo os valores que a marca representa.

Lojas Conceito - Projetos Arquitetônicos

Flagship Store da Glassons, na Broadway, com o tema “Rooms of the Mansion”. Fonte: Retail Design Blog

Como criar uma Loja conceito (flagshipstore)

Antes de iniciar o projeto de arquitetura de sua loja conceito, tenha em mente alguns pontos:

1. Defina seus objetivos – sua loja conceito será focada em:

– Contato (conhecimento)

– Experimentação (interatividade e experiência)

– Venda (não apenas do produto, mas dos valores da marca)

– Divulgação (amplificação da marca)

Neste processo, a loja conceito (espaço físico, arquitetura e cenografia) torna-se um dos principais influenciadores de compra, sendo por si só um espaço atraente e personalizado.

 

2. Para o projeto arquitetônico de sua loja conceito, considere:

– A identidade da marca – o que sua marca representa para o seu consumidor?

– Quais aspectos gostaria de ressaltar para seu cliente – tecnologia, praticidade, feito sob medida, com estilo próprio…

– O que poderia diferenciá-la dos demais?

 

E principalmente, pense como seu cliente:

– O que o faria retornar a uma determinada loja, considerando que há outras do mesmo segmento?

3. Para o projeto arquitetônico também defina o fluxo de exposição dos produtos:

– Divulgação

– Vendas

É possível desenvolver projetos arquitetônicos com as duas características: uma loja de calçados pode colocar em divulgação, no formato “galeria de arte”, peças criadas por designers, mas que não estão à venda. O objetivo é encantar o consumidor. Os produtos à venda ficam dispostos na loja e beneficiam-se do conceito de “arte”.

A loja conceito da boneca Barbie em Shangai é um exemplo de construção de imagem de marca não necessariamente atrelado a vendas. O produto, comercializado em todas as lojas convencionais de varejo não é o principal atrativo. O universo representado pela arquitetura e experiências oferecidas pela loja, criam identificação e relação mais próxima entre a marca, o universo Barbie e suas jovens consumidoras.

A intenção não é competir em vendas com os demais fornecedores do mercado, mas fortalecer e manter atraente a imagem de um produto com mais de 50 anos de mercado.

Flagshipstore - Projetos Arquitetônicos

Flagship Store da Barbie Shanghai. Fonte: Retail Design Blog

4. Personalidade

Uma pequena loja de chocolates pode trazer a arquitetura e design de interiores como grandes aliados na diferenciação no processo de venda de seus produtos.

A experiência de sentir o odor do chocolate sendo preparado, a iluminação aconchegante para os clientes e com pontos focais de luz fria valorizando os detalhes e cores dos produtos, a disposição dos produtos, sempre convidativos à experiência de sabores.

As lojas conceito tornam possível agregar valor às experiências de compra. Também iniciam a identidade visual que será importante em projetos arquitetônicos futuros de expansão ou franquias.

 

5. Tecnologia e experiência

A tecnologia é sempre um bom atrativo e pode ser incorporada mesmo se sua loja não atuar neste segmento.

A tendência é que consumidores passem mais tempo em lojas conceito, aproveitando os benefícios da contemplação e experimentação.

O projeto de arquitetura pode contar com a exposição de catálogos virtuais em telas estrategicamente colocadas pelos corredores, direcionando a circulação. Ou ainda contar com a instalação de telas sensíveis ao toque para que a loja possa oferecer ferramentas de premiação para consumidores.

Flagshipstore da Reebok - NY - Projetos Arquitetônicos

FlagshipStore da Reebok, em Nova Iorque. Fonte: Retail Design Blog

6. Espaços diferenciados

Outra proposta é criação de espaços diferenciados que poderão ser explorados em diferentes ocasiões.

Uma loja conceito de roupas femininas, por exemplo, pode contemplar em seu projeto arquitetônico um espaço para acompanhantes. Sofás confortáveis, televisores, frigobar e até games podem ser disponibilizados para uma experiência que supera a de consumo.

Tais espaços, como cafeterias, pequenas galerias de arte, espaços zen, livrarias, podem ser utilizados para ações que acompanhem o calendário promocional ou para lançamento exclusivo de coleções e produtos.

Loja Conceito da Jimmy Choo em Londres

Deixe seu Comentário

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *